Dor oncológica: Tipos e tratamentos

Dor oncológica: Tipos e tratamentos

tratamentos cirurgicos da dor oncológica

Aspectos gerais

Dor é um sintoma extremamente frequente nos pacientes com câncer. Manifesta-se em 30-70% dos doentes em todos os estágios da doença, estando presente em 70-90% nos pacientes com histórica de doença avançada, sendo muito intensa em 25-30% dos doentes. A ocorrência varia de acordo com o órgão que sedia o tumor primário e a natureza da neoplasia:

quadro occorencia de dor segundo origem neoplasica

QUADRO 1: ocorrência de dor segundo a origem da neoplasia

As causas de dor no paciente com câncer podem ser devido aos seguintes fatores:

  1. Dor decorrente da infiltração tecidual pelos tumores:
  • Invasão óssea
  • Invasão ou compressão dos nervos periféricos ou do cérebro(metástases)
  • Invasão de órgãos do abdomen(fígado, rim, linfonodos,etc)
  • Invasão e oclusão de vasos sanguíneos
  • Invasão das mucosas e tegumentos
  1. Dor decorrente de procedimentos terapêuticos:
  • Dor após cirurgia ou amputação
  • Dor após realização de quimioterapia : a quimioterapia pode lesar os nervos causando a chamada “polineuropatia periférica
  • Dor por retirada de corticoides em pacientes que fazem uso contínuo do mesmo, causando dor nas articulações e dores musculares
  • Dor pelo vírus do herpes zoster(neuralgia pós-herpética)
  • Dor pela lesão causada pelo procedimento de radioterapia: chamada de neuropatia actínica CRÔNICA manifesta-se entre o 4 – 480 mês após a Radioterapia. É comum a neuropatia braquial em Radioterapia após  câncer  de pulmão ou mama, E, no plexo lombo-sacro apos Radioterapia para câncer de útero, ovário e próstata
  • Síndromes para-neoplásicas: causadas por agentes liberados na corrente sanguínea associados ao câncer ou de mecanismos imunológicos secundários ao mesmo. Geralmente ocorrem em tumores de pulmão(pequenas células), mama e ovários.

Dor não associada à doença oncológica: Síndrome  miofascial é a mais comum

Tratamento da dor no câncer

Para o tratamento adequado da dor nos pacientes com câncer é essencial a identificação das causas e o acompanhamento do estado psicossocial dos pacientes, os quais já estão muito fragilizados pela própria doença oncológica .

O primeiro tratamento é sempre conservador e feito com uso de acupuntura, fisioterapia e medicações. Com relação aos medicamentos podemos utilizar desde analgésicos comuns passando até aos derivados opióides: codeína, tramadol, oxicodona, metadona e morfina. Temos também a opção de adesivos que liberam analgésicos potentes (fentanil) para o tratamento da dor.

Quando os métodos conservadores não conseguem controlar a dor existem inúmeros procedimentos que podem ser utilizados para o tratamento . Dentre os procedimentos podemos citar:

  1. Procedimentos ablativos:

– Neurólise de Nervos Periféricos: neste procedimento é realizada a interrupção do nervo periférico envolvido no quadro de dor. Este procedimento é utilizado por exemplo na dor de tumores de pulmão que atingem os nervos intercostais

– Neurólise do sistema nervoso autônomo(plexos celíaco, hipogástrico , gânglio ímpar): Neste procedimento é realizada a destruição da cadeia de nervos responsáveis pela sensação dolorosa das vísceras do abdômen. Trata-se de procedimento feito com técnica minimamente invasiva e utilizada no tratamento da dor no câncer de pancreas, câncer de intestino , e de canceres do assoalho pélvico que cursam com dor(útero, ovário)

– Neurólise do Nervo trigêmeo: utilizada para pacientes com câncer de face(língua, boca ) que cursam com invasão do nervo trigêmeo e dor de difícil controle no face

– Cordotomia: este procedimento é utilizado em pacientes com dor em região de extremidades do corpo até o nível torácico unilateral , que é secundária à invasão dos plexos nervosos principalmente por cânceres de pulmão e mama.

– Cingulotomia: procedimento realizado no cérebro, com uso de técnica estereotáxica minimamente invasiva , utilizado no tratamento de pacientes com dores ósseas difusas, secundárias à múltiplas metástases ósseas

  1. Uso de morfina epidural: este é um dos procedimentos mais utilizados no tratamento da dor no câncer. Consiste na passagem de um cateter em região de coluna(espaço peridural) onde podem ser injetadas medicações analgésicas que são de potencia até 30 vezes maior que medicações orais(como a morfina por exemplo). Nestes casos conseguimos analgesia utilizando doses menores de medicações e com menores chances de efeitos colaterais, sobretudo das medicações opióides(náuseas, vômitos, sonolência, retenção urinária e fecal).

 

Figura : PASSAGEM DE CATETER PEpassagem de cateter de morfina na periduralRIDURAL

Uso de sistemas de infusão de morfina intratecal(bomba de morfina)

Para pacientes que necessitam de analgesia pela via espinhal por um período de tempo mais prolongado é realizado a implantação permanente de um sistema capaz de infundir medicação analgésica diretamente no espaço medular pelo líquor(líquido cefalorraquidiano). Esta via permite o uso de analgésicos que podem ser até 300 vezes mais potentes que analgésicos opióides por via oral(como por exemplo a morfina). Nestes casos conseguimos analgesia utilizando doses menores de medicações e com menores chances de efeitos colaterais, sobretudo das medicações opióides(náuseas, vômitos, sonolência, retenção urinária e fecal).

Procedimentos para dor por lesões ou metástases de coluna(cifoplastia)

Este procedimento é extremamente eficaz no tratamento de lesões ósseas de coluna, sejam elas causadas por fraturas patológicas(fraturas secundárias à metástases de coluna) ou mesmo por doenças oncológicas primárias como o Mieloma múltiplo. Nesta técnica é realizada a punção do corpo da vertebra por técnica minimamente invasiva e colocação de cimento ósseo , o qual torna a vértebra mais resistente à fraturas e também realiza o tratamento da dor secundária à mesma

 

tratamentos cirurgicos da dor oncológicaFIGURA: EXEMPLO DE CIFOPLASTIA

Estimulação Cerebral Profunda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *